Ruger Mini 14 – InfoArmas



Comprar Arma de Fogo é na 38Store



Suporte via whatsapp!


Leroy James “Jim” Sullivan e William Batternman “Bill” Ruger são nomes que podem não ter o mesmo reconhecimento familiar que Eugene Stoner ou Mikhail Kalashnikov, mas provavelmente deveriam.
Sullivan, embora conhecido por muitos projetos de armas de fogo, é provavelmente mais conhecido por suas contribuições ao Stoner 63, ao rifle de serviço M16, à metralhadora leve Ultimax-100 e ao Ruger Mini-14.
Bill Ruger não precisa de introdução, mas apenas para lhe dar velocidade, ele era um gênio do marketing e um dos fundadores da Sturm, Ruger & Co. Ele e suas equipes de design nos trouxeram o Standard Auto, Single Six, 10/22 e muitas outras armas de fogo.

Stantard Auto
Single Six
10/22

Em 1967, Sullivan e Ruger iniciaram o processo de encolhimento do venerável rifle de serviço M-14 7.62 para uma versão mais compacta, neste caso no calibre .223 Remington. O projeto levou seis anos, culminando em 1973 com o Mini-14. A produção em massa começou em 1974.

Enquanto o nome Mini-14 deriva diretamente do US Rifle 7.62mm M14, não é de forma alguma uma réplica exata e reduzida como muitos acreditam até hoje.

O bolt rotativo (ferrolho), parece ser uma versão reduzida do design Garand usado no M14, e o controle de fogo é basicamente o mesmo design, sem a capacidade automática do M14. As semelhanças começam a se decompor a partir daí.

O M-14 possui um sistema de gás bastante complexo, composto por uma haste operacional, pistão, cilindro de gás e bujão de gás. O Mini-14 usa um sistema de gás simplificado que prende o cano usando quatro parafusos. Ele consiste no bloco de gás de fixação, no tubo de gás e num conjunto de slides, que é a versão Ruger da haste operacional M-14.

Diante disso, pode ser justo dizer que o nome Mini-14 é um pouco impróprio, pois não é uma miniatura de nada. É um rifle próprio, com elementos de design emprestados de rifles de serviço anteriores.
O Mini-14 exemplifica o espírito comercial geral de Bill Ruger, que era fabricar armas de fogo simples e acessíveis, que emprestavam detalhes de design de armas de fogo passadas, trazendo-as ao mercado usando peças de investimento economicamente viáveis.

O Mini-14 era um rifle de homem trabalhador, puro e simples.

Por causa disso, porém, o Ruger Mini-14 era frequentemente chamado de “AR-15 de pobre”, devido ao seu preço original de menos de US$ 200.00. No entanto, essa não é exatamente uma declaração precisa.

No início dos anos 70, um Colt SP1 novinho em folha, a versão original do que se tornaria o incrivelmente popular AR-15, era vendido entre US$ 200 e US$ 250. Uma afirmação mais correta seria que, em meados de 1970 até a década de 1990, Colt e Ruger competiram frente a frente no pequeno mercado de rifles semi-automáticos de alta potência.

O Colt SP1, o precursor do AR-15, foi o principal concorrente do Ruger Mini-14 nas décadas de 1970 e 1980. Por um período de tempo, o Ruger manteve uma vantagem distinta. Não parecia o rifle que a maioria dos americanos havia visto apenas nos noticiários da Guerra do Vietnã, nem era atormentado por rumores de falta de confiabilidade. Tinha uma aparência clássica que não aludia ao envolvimento dos Estados Unidos em uma guerra impopular.

Apesar de ter raízes em projetos militares, não era o fuzil preto de aparência extrema carregado por soldados e fuzileiros navais no exterior e, portanto, apelava a civis, departamentos de polícia e Corrections (Agentes prisionais), que buscavam o poder de fogo disponível em qualquer plataforma, mas gostavam do experimentado e verdadeira ação no estilo Garand e um visual clássico de madeira e aço.

Esses foram os dias antes das cidades americanas terem equipes da SWAT. Eram os dias em que os patrulheiros usavam sapatos sociais e carregavam um revólver de seis glock“>tiros. A idéia de a polícia ter um tiroteio com pistoleiros fortemente armados foi considerada exagerada na época. Mesmo assim, muitos departamentos estocaram seu arsenal com Mini-14s.

Para competir com as múltiplas opções oferecidas pela concorrência, a Ruger expandiu seu catálogo. O modelo Mini 14 GB-F apresentava um material dobrável no estilo paraquedista, punho de pistola, cano com rosca com flash hider e baioneta. Para as agências governamentais que buscam recursos de fogo selecionados, a Ruger lançou o AC-556.

Em 1984, o público da TV americana se familiarizou intimamente com o rifle Mini 14 GB-F na segunda temporada do “The A-Team”  ou “ Esquadrao Classe A”. No ar até 1987, o A-Team apareceu nas salas de estar de todo o país, com os rifles Ruger Mini 14 GB-F como seu solucionador de problemas de marca registrada.

Comumente confundidos com o AC-556, os fuzis usados no A-Team eram apenas semi-automáticos e foram retratados como tal pelo elenco que pode ser visto repetidamente puxando o gatilho na tela. Os efeitos sonoros totalmente automáticos foram adicionados na pós-produção.

Em 1982, a demanda por uma solução confiável de montagem óptica levou ao lançamento do Ranch Rifle. Esta nova versão apresentava um ângulo de ejeção menor e bases integrais de escopo usinadas no receptor, que acomodavam os anéis de escopo Ruger fornecidos pela fábrica.

Isso acabou levando todos os rifles Mini-14 a serem equipados com montagens de escopo integrais. No catálogo atual, o Ranch Rifle é simplesmente o modelo base da família Mini-14 e é oferecido em aço inoxidável ou azul, madeira de lei ou material sintético.

Em 11 de abril de 1986, um evento em Pinecrest, na Flórida, se tornou um dos vários incidentes que mudaram a maneira como as agências policiais americanas treinavam e se armavam.

Por volta das 9:30 da manhã, uma estaca do FBI avistou o carro suspeito de dois assaltantes de bancos em série, William Matix e Michael Platt. No tiroteio que se seguiu, Michael Platt usou um Ruger Mini-14 para atirar em sete agentes do FBI, matando dois antes de ser baleado e morto.

Este evento foi um dos muitos que levaram à mudança gradual na forma como o trabalho policial é realizado. Muitos instrutores de armas de fogo criticaram e documentaram esse evento como um momento crucial na aplicação da lei nos Estados Unidos. Eventos como esse levam à era da “carabina de patrulha”.

Durante anos, apenas as equipes da SWAT tiveram acesso a rifles táticos. Hoje a realidade mundial é bem diferente, onde praticamente todas as unidades policiais dos EUA e uma grande parte das forças policiais do mundo utilizam rifles em suas operacoes diárias.

Eventos como esses também deram lugar a discussões no Congresso sobre como limitar a capacidade do público de possuir uma arma dessas.

Desde a morte de Bill Ruger, em 2002, a empresa que ele co-fundou passou por uma enorme transformação em sua linha de produtos.

Hoje o fabricante possui inúmeros modelos diferentes e ainda em outro calibre, como o 300 AAC BLK

Mesmo com todas essas novas introduções, a empresa continua aprimorando e comercializando os produtos clássicos de sua linha, em particular a família de rifles Mini-14.

A empresa tomou medidas no nível de produção para aumentar a precisão esperada, mantendo a confiabilidade histórica dos rifles.

Os modelos de catálogo atuais incluem o modelo básico Ranch Rifle em 5.56 / 223, um flash hider dobrável equipado com o equipamento 5.56 / 223 Tactical Rifle, o .223 (apenas) Target Rifle que possui um estabilizador harmônico ajustável, o 7.62x39mm Mini-30 e uma nova versão .300 do Rifle Tático, com câmara blackout, tudo a um preço semelhante ao de um rifle de plataforma AR convencional.

O Mini-14 não é o AR-15 do homem pobre e, francamente, nunca foi. É simplesmente uma alternativa. Sempre foi uma arma confiável e robusta, projetada para uso difícil no mundo real.

E, para o bem ou para o mal, tornou-se um ícone cultural das décadas de 1970 e 1980 nos Estados Unidos. Basta perguntar a B.A. Baracus.

Um rifle muito versátil, leve, fácil manuseio e muito preciso, o uso de lunetas ou red dot é bem vindo e deixa essa peça ainda mais interessante, tudo isso faz do Mini Ruger 14 um modelo ate hoje muito procurado e vendido nos EUA e também exportado para outros países.




O QUE É O GUIA DO ATIRADOR?

Definitivamente, tudo o que você precisa para tornar-se Atirador Desportivo! O Tiro Esportivo é um esporte fascinante. Com o Guia do Atirador, você terá um passo a passo para solicitar seu CR junto ao Exército Brasileiro sem necessidade de contratar despachantes caros.

Compre agora sua arma, sem precisar de despachante!

-